1 de novembro de 2011

78 - ALEX entrevista MARINA FERRI

Olá queridos leitores, amanhã será o feriado nacional de FINADOS e eis que abaixo postei um link, onde se pode ler 4 postagens que colocamos entre os dias 02 e 05 de novembro de 2010.
Vale á pena ler! Assim como também esta entrevista á seguir, com uma médium que por 21 anos realizou o trabalho das cartas consoladoras (mensagens em cartas psicografadas)

http://alexscguimaraes.blogspot.com/search/label/Finados

Ela é de Taubaté-SP.
Ela é professora e tornou-se espírita aos 30 anos de idade.
Por 21 anos semanalmente ela psicografou as chamadas "cartas consoladoras".
Visitou Chico Xavier em Uberaba por 12 anos consecutivos.
É uma das maiores oradoras espíritas do Brasil.
É uma das apresentadoras do Programa Espiritismo em Flash.
Ela é Marina Ferri.

* Entrevista realizada em meados de setembro de 2011 *

ALEX - Olá Marina, tudo bem? É um prazer enorme entrevistá-la.

MARINA - Tudo bem Alex, o prazer é meu.

ALEX - Como surgiu o Espiritismo em sua vida?

MARINA - Por uma questão de doença, pois tinha perdido totalmente a voz e já não emitia qualquer palavra há meses quando a professora que me substituiria na escola me convidou para ir ao Centro Espirita do tio dela - o Bonani - em Taubaté. Não quis ser indelicada, mas era avessa a qualquer religião que não fosse a minha na época, a católica. Minha mãe praticamente me arrastou e o conselho que recebi foi: "Seu lugar é à mesa falando do Evangelho", tinha então, 30 anos de idade e dali para frente não fiquei mais uma semana sem cumprir o meu papel sobre o Evangelho. Na mesma ocasião li "Nosso Lar" que um funcionário da escola me emprestou sem dizer que era uma obra espírita, adorei, em cada palavra não existiam para mim dúvidas, apenas respostas, ao entregar perguntei-lhe onde eu poderia saber mais sobre Espiritismo e ele me indicou "O Livro dos Espíritos" que me encanta diáriamente. Por conta de tudo isso fui fazer Faculdade de Ciências Físicas e Biológicas.


Marina Ferri
ALEX - E a sua mediunidade? Fale um pouco dela, por favor.

MARINA - De início, junto com a oratória começaram as psicografias e por 21anos semanalmente psicografava as, hoje chamadas cartas consoladoras em trabalho público, depois outros compromissos foram chegando: direção de estudos, grupo mediúnico, passes e palestras...tenho escrito pouco e a psicografia está parada...


ALEX - Que pena Marina! E como foi a sua primeira palestra?


MARINA - Bem...na noite em que conheci o Centro Espírita fui a única em que não falei, pois a partir da semana seguinte me deram para ler "Pão Nosso" de Emmanuel, a voz não saia, eu só chorava, todos esperavam silenciosos. Gradativamente e com ajuda de passes magnéticos a voz foi voltando. A primeira palestra foi na II Semana Allan Kardec do CE André Luiz de Taubaté e o tema "Eurípedes Barsanulfo", foi uma tremedeira só, mas um enorme desejo de trazer para muitos as grandezas desse espírito.


ALEX - Eu lhe fiz esta pergunta porque a considero uma das melhores oradoras espiritas que conheço. E por falar em suas oratórias, aqui em S.José dos Campos, no Centenário de Chico Xavier você nos trouxe um quadro que você possui dele. Poderia comentar algo a respeito deste quadro?

MARINA - Esse quadro - mão de Chico impressa em 1936 após uma psicografia em SP - para mim é especial pois me chegou num momento dificil de minha vida, coisas do Collor, onde tinha que trabalhar muito para atender as necessidades familiares e na noite anterior não pude dormir, tinha muita encomenda para entregar no de manhã, não pude sequer preparar o tema, sai direto para São Paulo, deveria falar na Casa Transitória, ao chegar lá junto com meu amigo Bonani ele iniciou a oratória falando do Codificador e a Codificação, mas no momento em que iria tecer comentário sobre o Evangelho Segundo o Espiritismo, simplesmente ele me passou a vez. Levantei-me, olhando aqueles que lá estavam, a cabeça vazia e cansada da noite insone, pedi um exemplar do Evangelho e fiz o que sempre gostei de fazer, abri-o ao acaso, li pequeno trecho e falei como nunca sobre Jesus e nós (claro que amparada pela espiritualidade, tal a facilidade), quando terminei em lágrimas, tanto aqueles que estavam compondo a mesa como a platéia era um choro só. Silente, sentido, calmo... Na saída um senhor me procurou, Sr. Faracco era um daqueles que compunha a diretoria da Casa Transitória, ainda tinha os olhos lacrimosos quando me disse o seguinte: "Aqui muitos tem falado sobre suas viagens para o exterior ou sobre as ciências, mas há muito tempo Jesus estava esquecido!" Pediu o meu endereço e me enviou uma cópia da sua "mão de Chico" com dedicatória para ele e dele para mim dizendo que era um presente especial para quem sabia valorizar...


ALEX - Eu vi o quadro e ele é lindo! Tem as mãos dele impressa e lembro que aqui no Centenário do Chico, você disse que o colocou na entrada de sua casa, assim quando olha para o quadro é como se o dono daquela mão lhe dissesse "Calma!". E com que frequência você o visitava em Uberaba?


MARINA - Fomos a Uberaba por mais ou menos 12 anos seguidos, em média 2 vezes ao ano.

ALEX - Como diria Jerônimo: "Que beleza!" (risos). E existe algo que ele lhe disse e que a marcou para sempre?

MARINA - Sim, dois fatos aconteceram que jamais esquecerei:


1º - Na primeira vez em que visitamos Chico, não passamos por ele no final. O trabalho começava por volta das 19h e terminava por volta das 5h da manhã e achamos falta de caridade ser mais um naquela fila, afinal não tinhamos nada para pedir. No dia seguinte, fomos à sua casa, não pudemos vê-lo mas seu filho Eurípedes veio conversar conosco e perguntou se todos tinham passado por ele, eu relatei o fato e ele me disse que fiz muito mal, pois se mil tinham algo a pedir, talvez fosse um que pudesse dar, e que ele nasceu para isso. Fiquei envergonhada, prometi voltar. Quatro meses depois voltei e fiz como todos.


2º - Esse fato diz respeito a Jerônimo Mendonça...


ALEX - Eu iria lhe perguntar algo sobre ele...


MARINA - Conhecemos Jerônimo e tinhamos especial carinho por ele, muita conversa, muito riso e muita lição. Pouco antes de ele desencarnar nos encontramos no Chico, em baixo de uma grande árvore que existia no quintal. Passamos a noite ao lado de sua cama conversando e lá pela madrugada ele me perguntou: "Você vai cumprimentar o Chico?" Eu disse que sim e ele me pediu se eu poderia dizer ao Chico que ele estava lá fora, mesmo sabendo ser desnecessário isso pois, o Chico sempre sabia quando ele lá estava.


Fui, entrei na fila e no momento em que minha mão tocou a de Chico e o seu olhar por sobre os óculos nos fitou, abri a boca para falar: "O Jerô...." Ocorreu um choque enorme, como se eu estivesse sendo eletrocutada, saí correndo literalmente, até a cama do Jerônimo e me joguei de atavessada sobre ele, tremíamos os três: eu, ele e a cama. Só depois de alguns segundos é que percebi a cena...Pobre Jerônimo! Sem qualquer possibilidade de me afastar, estava sendo amassado. Pedi desculpas, mas ele me explicou que fora ali buscar energia e que o Chico tinha me usado para transmitir á ele. Agradeceu-me e foi a última vez que nos encontramos na carne.


ALEX - Que maravilhosa história Marina, estou emocionado! Quando se fala de Chico e Jerônimo fico assim! Obrigado por compartilhar isto conosco. Vou até mudar de assunto...Você teve algumas participações em nosso "Programa Visão Espirita" na TV Net e é uma das apresentadoras do "Programa Espiritismo em Flash" em Taubaté. Fale um pouco sobre a sua participação nesses dois programas e qual a importância deles para a televisão?


Marina no "Visão Espírita"
MARINA - Nossa participação não tem sido tanta quanto desejaríamos, pois achamos de suma importância esse trabalho de divulgação da Doutrina.

ALEX - Tem sido sim Marina, você é modesta (risos). Você responde as perguntas dos telespectadores de forma esclarecedora. Muito bom! Parabéns!

MARINA - Louvamos a coragem e a garra dos nossos companheiros que trouxeram esse trabalho à Luz, pois sabemos que as dificuldades são inúmeras. Só por muito idealismo e por saber da importância de bons programas na televisão, esta televisão que hoje leva tanta coisa ruim para os nossos lares.

ALEX - E como você enxerga hoje o Espiritismo no Vale do Paraíba?


MARINA - Com bons olhos e admiro o pessoal de São José dos Campos, onde o movimento tem se mostrado forte e inovador.


ALEX - Há uma palestra sua com o tema "Nossos Lares no Mundo Espiritual", comente algo a respeito por favor.


MARINA - Essa palestra foi apresentada pela primeira vez em novembro de 2010 no Encontro para o Estudo da Ciência Espírita que se realiza em Poços de Caldas-MG, há 14 anos no mês de novembro. Ela surgiu por conta da série de palestras que fomos desenvolvendo por conta da pergunta 540 de "O Livro dos Espíritos" - Do átomo ao arcanjo tudo se encadeia em a natureza e das nossas reflexões sobre a Parábola do Mau Rico no Novo Testamento, onde Jesus nos narra um diálogo entre 3 "mortos", uma conversa no Além. Somando-se a tudo isso: as reflexões de Maria João de Deus (mãe de Chico) em 'Cartas de uma morta'; André Luiz em suas obras e Kardec na Revista Espírita de 1859; pudemos montar um estudo que desde a apresentação em Poças não paramos mais de realizar.


ALEX - "Há muitas moradas na Casa de Meu Pai"?

MARINA - Com certeza , pois se assim não fosse o Cristo teria mentido por conta dessa fala e seguindo a série de palestras da referência feita na pergunta, organizamos um estudo com o título "As muitas moradas da Casa do Pai"

ALEX - Em Taubaté teremos o I Encontro Integração Cósmica, qual a importância de encontros como estes neste momento?


MARINA - Bem...Esse é um encontro que não está vinculado ao movimento espírita de Taubaté, mas é uma atividade espiritualista que com certeza propõe despertar o homem para essas reflexões


ALEX - Neste encontro teremos o orador e escritor Alfredo Nahas abordando o tema "O contexto extraterrestre de Jesus", onde ele declara que Jesus foi um extraterrestre incompreendido, o que você teria a dizer sobre esta afirmação? Lhe pergunto sem querer polemizar.


MARINA - Posso responder com muita tranquilidade e concordância com a idéia, pois se lemos no Evangelho de João que "antes que o mundo fosse, ele era" e somando a Emmanuel em "A Caminho da Luz" quando o mostra como governador planetário fica muito claro que Ele já era antes de qualquer ser humano terrestre e mesmo o prórpio planeta. Assim costumo bricar que Jesus foi o primeiro ET que o mundo conheceu.


ALEX - Você já leu o livro de Marlene Nobre e do Geraldinho "Não vai ser em 2012"?

MARINA - Não li ainda, logo não posso tecer qualquer comentário.


ALEX - E recentemente Divaldo Pereira Franco também lançou um livro, com o titulo "Transição Planetária", o que você poderia nos falar sobre este tema, em que já estamos abordando de certa maneira nesta nossa conversa (risos).

MARINA - É um livro fantástico, que todos deveriam ler. Por conta dele organizamos uma palestra com o título: "Resgates e Carmas Coletivos da Humanidade".

ALEX - E você Marina, não pensa em escrever um livro onde poderá expor para nós tudo o que você fala em suas belissimas palestras?

MARINA - Muitos têm me cobrado isso, especialmente a série "Do átomo ao arcanjo". Vamos ver que o futuro pode estar mais próximo do que imaginamos.

Marina no "Espiritismo em Flash"

ALEX - Está muito boa a nossa conversa, mas precisamos encerrar, pois já tomei-lhe muito o tempo (risos). Para finalizarmos, faremos um Pinga Fogo :

- Taubaté - minha cidade
- Educação - evolução
- Mediunidade - benção de Deus
- Canuto de Abreu - muito admirado
- Chico Xavier - um anjo
- Deus - glória suprema


ALEX - Marina, obrigado pela atenção e carinho, que seus passos sejam cada vez mais iluminados e é uma honra tê-la entre as nossas oradoras do Vale do Paraíba. 

MARINA - Agradeço sinceramente a você e peço a Deus que outros tantos possam divulgar a Doutrina usando essas possibilidades da modernidade que hoje dispomos. "A maior caridade que podemos fazer é divulgar os ensinamentos do Cristo" onde pudermos. Um abraço!

Nenhum comentário: